Como conversar sobre luto com as crianças

Especialista da educação explica como os pais e a escola podem desdobrar este assunto com os pequenos

“Para que viver se vamos morrer?”. É a partir dos 12 anos de idade que esse questionamento filosófico começa a martelar na mente humana. Mas como explicar o conceito da vida para uma criança, ainda por cima em um momento de pandemia, onde somos forçados a falar sobre morte todos os dias? Quando seu filho te pergunta sobre o fim da vida, a resposta deve ser exatamente aquilo em que você acredita.

Nós adultos sabemos que passar pelo luto não é uma tarefa fácil e exige muita força e coragem, principalmente porque sua função é a de nos colocar frente a frente com a realidade. Nosso amadurecimento entende que toda alma possui um ponto final no planeta Terra, e essa compreensão do fim acompanha a progressão vivida durante a infância.

De acordo com Marizane Piergentile, diretora de educação da Rede Adventista do ABCDM e Baixada Santista, o luto é desenvolvido junto com o entendimento da criança sobre a morte. “Dos 3 aos 7 anos a criança inicia sua relação de entendimento com o mundo. Geralmente, nessa idade eles possuem a ideia de que as pessoas podem voltar a vida, então quanto mais compreensível for a afirmação dos pais, mais calmaria o pequeno terá”, explica a diretora.

Dos 7 aos 9 anos a criança começa a assimilar que morrer é irreversível e apesar de compreender com facilidade que a morte é algo natural, precisa de mais explicações para absorver. “É a partir dos 10 anos que as enxurradas de perguntas sobre a vida e a morte começam a aparecer. Por isso, é necessário que os responsáveis tenham suas crenças bem fortalecidas para que as respostas sejam do mesmo nível que as dúvidas”, afirma Marizane.

As escolas também podem fazer seu papel nessa formação e, após os meses de pandemia, provavelmente isso será necessário. O Colégio Adventista atua com o Projeto Viver Bem, que tem o propósito de trabalhar competências socioemocionais a fim de auxiliar os alunos a colocarem em prática atitudes e habilidades melhores para lidar com a vida.

A escola aplica diversas atividades no desenvolvimento das competências oferecidas, possibilitando o trabalho com as emoções e os sentimentos através de aulas interativas como oficinas, análise do conhecimento de si e do outro, roda de conversas, momentos para desenhos e autorretrato, histórias, análise de filmes, compartilhamento de talentos, ações sociais, solidárias, voluntárias, testes de autoconhecimento, avaliação e autoavaliação das habilidades desenvolvidas.

0 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *